O que se deve saber sobre o tratamento

  • Não há limites de idade ou sexo e quase nenhuma contra-indicação ao uso do Método Oral hCG do Centro Dr. Belluscio para o tratamento da obesidade. A tolerância ao protocolo é excelente e a maioria dos pacientes é submetida ao tratamento pela segunda vez. A perda de peso é segura e confortável para os indivíduos, desde que sigam a dieta meticulosamente. Qualquer desvio do protocolo pode levar a maus resultados. O protocolo OralhCG é uma abordagem adequada para o tratamento da obesidade que inclui um programa de modificação de comportamento e aspectos farmacológicos e dietéticos. Quando aplicado corretamente, o resultado é uma rápida perda de peso e um melhor contorno corporal. Complicações clínicas e resultados desfavoráveis podem estar relacionados a modificações inseguras do protocolo.
  • Evidências sugerem que a hCG promove atividade mobilizadora de gordura. Como a hCG não mobiliza depósitos de células adiposas in vitro, tem-se teorizado que a região hipotalâmica pode ser o órgão intermediário na ação lipolítica (mobilizadora de gordura) da hCG.
  • O Método Oral hCG sob Prescrição Mestra inclui acompanhamento do paciente (visitas diárias ao médico para receber injeções ou medicação oral, controle clínico e peso) e suporte terapêutico durante o programa de modificação de comportamento.
  • Existem algumas semelhanças entre o controle comportamental incluído no protocolo com a hCG e o programa de modificação comportamental no tratamento da obesidade.
  • A dieta de 500 Kcal. descrita no protocolo original mostrou-se eficaz e segura.
  • Os resultados não foram melhorados por nenhum outro tratamento para a obesidade. A remodelação do contorno corporal é mais marcada nos pacientes com distribuição adiposa de ginoides (depósitos de gordura nas áreas dos quadris e nádegas).

Como funciona o hCG no tratamento da obesidade e do excesso de peso

  • O paciente sente-se muito bem durante todo o período de tratamento. Não é irritável nem irritante apesar de estar sujeito a uma dieta de baixas calorias.
  • O médico assistente pode gerir com segurança e conforto uma dieta de baixas calorias.
  • Toda a perda de peso é feita APENAS à custa do tecido adiposo, sem perda de massa muscular ou óssea.
  • Como resultado, é notável a remodelação do contorno corporal num curto período de tempo.
  • O período de manutenção é mais estável, com cerca de 15-20 % dos pacientes que não recuperam o excesso de peso original.
  • Pode ser repetido sem qualquer contra-indicação a este respeito.
  • Pode ser repetido sem qualquer tipo de contrapeso.
  • Pode ser repetido sem qualquer tipo de contrapeso.

A hCG tem ação metabólica sobre o metabolismo do tecido adiposo.

Ao longo dos anos, tem sido demonstrado que a hCG tem ação sobre outros tecidos além do gonadal: sarcoma de Kaposi, asma, psicose, arteriopatias, talassemia, osteopenia, alcoolismo, glaucoma (incluir as ligações que cada palavra tem).

A informação disponível indicaria que a hCG pode aumentar a libertação de gorduras no tecido adiposo humano através do seu efeito inibitório da lipogénese.

Natureza farmacológica do hCG

A gonadotropina coriônica (hCG) usada no Método OralhCG sob Receita Mestre é uma glicoproteína (sucessão de aminoácidos ligados por pontes de açúcar), secretada pelas células da placenta. É, portanto, uma substância de origem natural comum a toda a espécie humana, com a qual temos tido contacto desde o momento da nossa concepção.

Embora seja produzida em grandes quantidades pela placenta, é também encontrada em condições normais, tanto em mulheres como em homens não grávidas, bactérias e plantas Descobertas em 1927, está na Farmacopeia Mundial há mais de 80 anos.

Desde então, milhares de artigos foram publicados sobre o efeito da hCG nas gônadas (testículos ou ovários), mas apenas um pequeno número deles investigou seu enorme potencial terapêutico em doenças como sarcoma de Kaposi, asma, arteriopatias, talassemia, osteopenia, glaucoma e câncer. A hCG é uma das poucas drogas de origem natural que, felizmente, ainda permanecem na atual Farmacopéia. Entretanto, a maior parte das pesquisas realizadas foi sobre seu potencial terapêutico relacionado a testículos ou ovários, com relativamente pouca pesquisa realizada em outros campos clínicos.

Outras indicações além do tratamento de fertilidade

  • Alcoolismo

  • Diabetes

  • Glaucoma

  • Prevenção do cancro da mama

  • Hipertrofia benigna da próstata

  • Hipercolesterolemia

  • Diabetes não insulino-dependente associada à obesidade

Contra-indicações

Foi dito que a hCG não deve ser utilizada em caso de tumores hormonais dependentes, esta contra-indicação tem sido refutada, pois atualmente é utilizada para o tratamento preventivo do câncer de mama, e em caso de testículos não descidos (criptorquidismo). A hCG não deve ser utilizada para indução de ovulação em pacientes com hiperestimulação dos ovários.Reacção secundária e adversa: Hiperestimulação dos ovários após uma aplicação combinada da hCG 1500 e Clomifeno. Efeitos tóxicos da hCG no ser humano: desconhecidos: actividade carcinogénica, teratogénica e mutagénica da hCG: não foram comunicadas reacções no local da injecção, tais como hematomas, dor, vermelhidão, inchaço e comichão. Ocasionalmente têm sido relatadas reações alérgicas locais, principalmente manifestadas como dor e/ou erupção no local da injeçãoNão foram descritas reações como as citadas acima com administração oral: em mulheres: hiperestimulação ovariana indesejada, síndrome de hiperestimulação ovariana, apenas quando associada a outras substâncias hormonais para tratamento da fertilidade; em homens: a retenção de água e sódio tem sido observada muito raramente após administração de grandes doses; isso é considerado como resultado da produção excessiva de androgênio; em mulheres: hiperestimulação ovariana indesejada, síndrome de hiperestimulação ovariana, apenas quando associada a outras substâncias hormonais para fertilidade e fertilidade.

Mutagénese Não existem informações sobre taxas mais elevadas de malformações após a indução da ovulação com hCG nas mulheres.

Overdose A toxicidade aguda da hCG é nula e não há provas de overdose aguda até à data. Interaccoes medicamentosas: não foram comunicadas interacções com outros produtos: não descritas. Se uma hiperestimulação intencional ocorre em ovários, foi causada por tratamento conjunto com HMG ou clomifeno. Alterações nos resultados dos testes laboratoriais: não relatadas. Efeitos sobre a capacidade de usar máquinas e dirigir: tanto quanto se sabe, esta droga não produz sonolência ou afeta a concentração.

A região hipotalâmica e a hCG

Uma das hipóteses mais fortes sobre a gênese da obesidade postula que a base dessa desordem metabólica está na região hipotalâmica: como em qualquer outra desordem clínica, é preciso descobrir quem é o “vilão” dessa história. Por exemplo: o pâncreas na diabetes, a tireóide no hipotireoidismo, as glândulas adrenais na doença de Addison.

O órgão mais frequentemente implicado na gênese do acúmulo de depósitos adiposos parece ser o hipotálamo, e essa hipótese é apoiada por um forte corpo de evidências clínicas e estudos clínicos.

É interessante notar que a hCG administrada exogenamente se acumula na região hipotalâmica, particularmente nas áreas ventromedial e lateral do hipotálamo. Portanto, não é irracional assumir que a área “branca” das ações metabólicas da hCG pode ser o diencéfalo.

Com base nas evidências, a hCG pode atuar no nível diencefálico, provavelmente modificando certas vias metabólicas de alguns neuropeptídeos, que por sua vez atuariam no núcleo ventromedial ou lateral do hipotálamo, ou através do eixo hipotálamo-pituitária.

Uma palavra de cautela para os interessados no Método OrahlhGC sob Prescrição Mestra para o tratamento do excesso de peso; Assim como o diabetes não pode ser melhorado com uma simples dieta, a obesidade não pode ser tratada sem alguma forma de ação do diencéfalo.

Após muitos anos de experiência no uso de hCG para o tratamento da obesidade, chegamos às seguintes conclusões:

  • A hCG não é uma varinha mágica – não cura nem erradica a obesidade. No entanto, a perda de peso é rápida, confortável para o paciente e torna o período de manutenção mais estável.
  • Não há diferença na perda de peso entre os pacientes tratados com hCG e aqueles com dieta simples. A diferença reside no facto de, sob a acção da hCG, apenas se perderem gorduras supérfluas, e não gorduras estruturais.
  • A obesidade pode não ser simplesmente uma questão de excesso de peso. Dieta por si só não é um tratamento para a obesidade, mas um procedimento auxiliar.
  • A menos que o transtorno diencefálico subjacente é tratado, qualquer procedimento dietético está condenado ao fracasso.

Tal como a diabetes não pode ser melhorada através de uma simples dieta, a obesidade não pode ser tratada sem alguma forma de acção do diencéfalo.

As anorécticas apontam nessa direcção e foram durante muitos anos um tratamento mal sucedido devido aos seus efeitos secundários.

O Dr. Simeons (que foi o autor do Método na forma injetável) nunca alegou que a perda de peso com o tratamento com hCG foi maior do que nos pacientes não tratados com hCG. O que ele sugeriu foi que a hCG, atuando no nível hipotalâmico, poderia corrigir o distúrbio diencefálico subjacente e, assim, o metabolismo do tecido adiposo.

Se este fosse o caso, a hCG seria um excelente procedimento adjuvante para o manejo desta patologia.

Por que é importante saber que a obesidade e o excesso de peso não são a mesma coisa?

Embora durante muitos anos tenham sido utilizados como termos intercambiáveis, sabemos agora que a obesidade e o excesso de peso não se referem à mesma doença: o excesso de peso é o peso registado numa escala acima dos valores padrão, enquanto a obesidade é a capacidade que o corpo desenvolveu, devido a uma doença no diéncefalo ou hipotálamo, de acumular mais do que precisa para viver, como exemplificado nesta imagem.Você vê que os dois sujeitos têm o mesmo índice de massa corporal, no entanto, o ganho de peso no sujeito à esquerda é devido a um aumento da massa magra ou muscular, enquanto na direita é devido a um aumento da massa gorda. A direita é o excesso de peso. O da esquerda é um manifesto de obesidade.

2019-05-07T14:42:06+00:00